domingo, 7 de fevereiro de 2016

Carnaval muito além de confetes e serpentinas


Pelas ruas de Goiânia, as pessoas andam cada vez mais apressadas e, infelizmente, muitas até esquecendo-se de apreciar o canto dos pássaros ou o crepúsculo, que brota nas janelas. A arte é tão rica de surpresas; que é capaz de quebrar rotinas, tristezas e sistematizações. POR ACASO é o sentir, o tocar e o ouvir dentro e para a cidade. É junção de raças e cores. É alegria! E, no carnaval é também confetes, serpentinas, purpurinas e o abraço acalentador capaz de romper barreiras e preconceitos.

Quem esteve presente na intervenção cultural realizada pela Casa Corpo, Por Quá? Vida Seca e LaBamba Sonorizações, no dia 6 de fevereiro, no CEPAL do Setor Sul pode ver velhinhos e crianças sorridentes, jovens descolados e moradores de rua vivenciando a arte. O evento foi à prova viva que bailarino e músico não estão em nenhum patamar elevado. Eles também fazem parte do público. Como a platéia pode se tornar parte de uma cena artística.

O ator baiano Jarbas Trindade, mora em Goiânia há 4 anos e pela primeira vez participou de uma tarde de improviso do POR ACASO. Ele disse que nunca tinha sentido uma energia, capaz de levá-lo para outro mundo como a que sentiu quando dançou. “Eu estava sentadinho ali, já me aquecendo e esperava um olhar. Pois, o ator chama o outro pelo olhar e aquela bailarina me tocou pelo olhar e isso me instigou. O convite foi certo, na hora certa e eu senti a energia que ela estava passando pra mim.”

O POR ACASO – tardes de improviso “Temporão” além de danças teve muita música boa! As batidas e sons típicos do carnaval com ousadia e experimentação. O trompetista, Jeferson Rocha, disse que vive de fazer música contemporânea. “O grupo se expressa através do mundo. A reciclagem vira música. O Vida Seca é reciclagem em si”, complementou.

Para a organização; ver as pessoas alegres e dançantes é a finalidade do projeto. “Afinal, esse tipo de intervenção é para mostrar que festa na rua é acessível. É uma festa da paz. A gente quer deixar as ruas livres para as pessoas que querem se divertir”, disse o produtor e dançarino Hilton Júnior.

Nenhum comentário:

Postar um comentário