sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Diferenças de atitudes

Acabou o tempo em que namorar significava atos singelos. Como a menina debruçada na janela olhando de rabo de olho para o pretendente. Ele do outro lado da rua todo galanteador ofertava uma margarida apanhada do jardim mais próximo.

Ou em outras situações onde um sorriso maroto refletia a aprovação de uma jovem. O garoto todo tímido ficava o restante do dia feliz a cantarolar. Depois de um mês; o pedido de namoro acontecia. Claro cercado de testemunhas.

O pai carrancudo logo dizia:

- Minha filha é uma menina direita, viu! Nada de travessuras com ela. Se quiser namorá-la vai ter que ser do meu jeito.
- Lógico que ele concordava com tudo; afinal não tinha outra escolha.

É! As pessoas mudaram, os costumes são outros...

Hoje namorar ou ficar, enrolar ou teclar. Enfim, é tudo muito complicado, nem os amantes sabem ao certo o que significa o que eles vivenciam. Imaginem os pais desta geração pós-moderna?

A jovem sai para a balada. Antes, se despede do pai falando que vai azarar legal. O pai pergunta para a filha:

- Minha fiiiilha, já viu se você tem camisinha na bolsa? Afinal, ele quer o melhor para ela e o jeito é se adaptar as novas circunstâncias.

Rapazes então, não conseguem contabilizar o número de namoradas, paqueras e ficantes. Eles ainda têm uma grande aliada, a tal internet. Através da tecnologia conhecem e desconhecem mulheres como num jogo de bilhar.

Depois que inventaram o Facebook, Orkut, MSN... a oferta está realmente cada vez maior que a procura.

O pior é a invasão de privacidade, onde as mais ciumentas ficam tardes inteiras bisbilhotando os scraps deixados por ex-namoradas ou será atuais?

Situações que normalmente o garoto logo explica:
-Ah, isso não passa de recados insignificantes...

Será? Se em décadas atrás; de uma piscadela na janela era possível brotar um amor. Porque não é possível surgir novos relacionamentos conjugais, após um “hehehe” (sorriso) teclado?

4 comentários:

  1. Ameiii esse texto.
    Essa geração é cada vez mais animada.
    Lindo blog

    ResponderExcluir
  2. Amanda, foi num desses "hehehe" da net que minha irmã se casou com um cara que ela conheceu virtualmente, e hj ta com mais de dois anos de casada, grávida, e feliz!!! imagina!! são histórias da vida, de cada época...mas acredito que mesmo num abrir de porta de um carro até mesmo num até logo na net o amor deva prevalecer acima de qualquer circusntância ou barreira geográfica! e viva o amor!!

    ResponderExcluir